Transformando Sonhos em Negócios

empreendedorismo feminino

Olá pessoal, hoje eu vim aqui falar de sonhos! De transformar sonhos em negócios, conectando empreendedoras a seus públicos através de marcas com propósito.

Já me falaram que sou muito sonhadora, emotiva, que me envolvo muito com os projetos e sofro com junto com os clientes. E como fazer diferente quando entregam sonhos nas minhas mãos, quando aceitam dividir o projeto da sua vida comigo, quando eu faço parte de historias incríveis?

Agora sim deixa eu me apresentar. Trabalho com design há 14 anos. A minha origem vem de uma família rural, com pais criadores de gado, um irmão zootecnista e uma irmã veterinária. Eles são minha base forte, e eu ‘a esquisita’ que foi estudar desenho industrial. Não contente em enlouquecer a minha família, ainda fui estudar arte, para aí sim depois empreender! Me formei com meu maior medo: será que vou dar certo? O sucesso pra mim naquela época é completamente diferente do que eu entendo hoje. Assim, eu segui “se der medo vai com medo mesmo” como um lema.

Não se falava muito em empreendedorismo no interior naquela época. Os cursos não formavam profissionais para a criação do seu próprio negócio, e sim para trabalhar em alguma empresa/agência local. Mas fui la e fiz: aluguei uma sala, coloquei uma mesa, um computador e abri a W3marias.

Como eu poderia, ou deveria imaginar, cometi todos os erros possíveis em um novo negócio sem preparo: precifiquei errado, gastei errado, não entendia de burocracias nem de caixa, não cuidava das minhas entregas, não comuniquei certo. Errei muito!
Um dia eu disse CHEGA! Eu percebi que eu tinha me perdido, tinha me afastado do meu caminho, pois fui engolida por alguma coisa que eu nem sei de onde veio!

Precisei de um afastamento, de passar por um processo, olhar pra dentro, me encontrar e entender onde EU, Camila, me conectava com o meu trabalho. Eu tinha uma certeza: o que eu sei fazer e amo fazer é design, pois essa é a minha essência. Fora isso, foquei meu olhar para o que meus valores significavam e como eles se conectam com o meu PROPÓSITO. Fiquei com um questionamento interno: o que eu faria se meu negócio não precisasse de dinheiro pra existir?

Depois de muito pensar, comecei a entender que o meu trabalho poderia ajudar outras pessoas a também se conectarem com seus projetos, e assim transformar seus sonhos em realidade, através da construção de marcas com propósito.  E eu me apaixonei por contar essas historias e a construir esses sonhos.

E assim encontrei o meu foco: desenvolver marcas com propósito através do branding, gerando conexões reais entre elas e seus clientes, e assim ajudar empreendedoras a construir marcas fortes. Mas não é somente isso. Implica também em transformar sonhos em negócios que se conectem verdadeiramente com seus públicos, com empatia, aproximação e relacionamento, construindo conexões reais e genuínas. Uma coisa é certa em todo esse processo: marcas fortes são construídas com sonhos e coração.

Para algumas pessoas o trabalho de branding é só pra empresas de grande porte, e que pequenos empreendedores não fazem branding. Na verdade, o branding é gestão da comunicação das marcas. Tem a ver com comportamento, com personalidade. O trabalho de branding vai impactar no que as pessoas pensam sobre a sua empresa. Scott Cook diz que “Uma marca não é mais o que nós dizemos para as pessoas que ela é. Uma marca é o que as pessoas falam dela.”

No branding trabalhamos com o olhar pra dentro dos negócios e do seus empreendedores, com autoconhecimento que serve de auxílio para encontrar a sua essência, seu DNA de marca e conseguir refletir isso na sua comunicação. É ter coerência na sua imagem projetada e unicidade em todos os pontos de contato da marca com seus clientes. Primeiro é o SER com toda as suas verdades, FAZER o seu dia a dia com a mesma postura, e assim COMUNICAR para o mundo.

Então, não tem jeito, mesmo que você não saiba o que é, sua pequena empresa já se comporta de um jeito específico. E isso graça ao “branding” que você já faz.

Um dos trabalhos do branding é transmitir o valor que a marca tem para o seu público-alvo, e se conectar com ele através do seu o seu “por que”. Com diz Simon Sinek, autor do livro (que eu super indico) Golden Circle: “As pessoas não compram o que você vende, as pessoas compram o que você acredita”.

E isso faz toda a diferença, porque o valor de uma marca não está mais nos seus produtos, e sim na sua causa. Hoje, o que você vende pode ser comercializado por outras pessoas, mesmo um design bacana ou uma ideia inovadora pode ser copiada e replicada. Atributos podem e, se forem bons, sempre serão copiados. Diferentemente das suas crenças valores e propósitos.
Pesquisas dizem que 53% dos consumidores consideram que quando qualidade e preço são semelhantes, o PROPÓSITO é o fator mais importante na escolha de uma marca.

Com tudo isso dito até agora, o meu desafio é gerar valor para a vida das pessoas.
E faço isso falando de branding e ajudando empreendedoras a criar marcas com propósito, conectadas com seus valores e transformando seus sonhos em negócios.

Para concluir, quero deixar claro que usamos o propósito da marca como ponto de partida e a estratégica para comunicar. O importante é o que sua empresa faz e o que ela comunica, estarem em harmonia. Marcas com propósito se conectam com públicos de maneira verdadeira.

É nisso que acredito: marcas são construídas com os valores de quem está empreendendo, com seus sonhos e com conexões fortes com seus clientes.

E QUEM VOCÊ É? E qual é o seu sonho? Que imagem você quer criar?

Beijo no coração de todos. Até a próxima.

Camila Balbé

@w3marias

@camilabalbe

www.w3marias.com.br

Deixe uma resposta